Monday, December 21, 2009

Ando

Tão distante que sinto saudades de mim. Sei que não sumi porque às me vejo de relance. Na vergonha da criança que divide o elevador com gente grande, na liberdade do cachorro que mija no poste da Paulista, no susto do avião que às vezes passa pertinho demais.
Aí, fico em dúvida se estou longe. Ou se quebrei e me espalhei por aí.

3 comments:

Eloisa said...

Engraçado como você faz uma narrativa daquilo que eu murmurei baixinho, e tu nem se quer ouviu.

rita said...

No meu caso, acho que foi a segunda opção. Mas foi a vida que foi me quebrando um pouquinho por vez...

Rita said...

Como uma luva...escolho a 2ª opção.
Porem foi a vida que me quebrou assim.
Abracos.